Política de cookies

Este site utiliza cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba Mais

Compreendi

Notícias

Só as exportações de calçado impermeável estão a crescer
2020-10-07

Segmento contraria tendência do setor nas vendas ao exterior, graças à pandemia e à procura por parte dos profissionais de saúde.

Portugal, tradicionalmente conhecido como fabricante de sapatos de couro, está hoje a recorrer, crescentemente, a outro tipo de matérias-primas. É o caso do calçado impermeável, que vale hoje já quase 3% das exportações totais, e que é mesmo a única categoria a crescer em ano de covid-19. A pandemia também deu uma mão, já que algum do calçado tradicionalmente usado pelos profissionais de saúde cabe nesta categoria. Nos primeiros sete meses do ano, as exportações nacionais de calçado continuaram em terreno negativo, com uma quebra acumulada de 19,3%. No mesmo período, Portugal vendeu ao exterior 23,265 milhões de euros de calçado impermeável, mais 3,8 milhões de euros do que em igual período do ano passado. Em termos percentuais, o crescimento é de 19,7%. O resultado da aposta do setor na diversificação de produtos, numa tentativa de chegar a novos públicos e a novos mercados, diz a associação do setor.

"Durante muito tempo, as exportações portuguesas de calçado estiveram excessivamente concentradas no segmento do calçado em couro. Na última década assistiu-se a um esforço do setor em diversificar a sua oferta, até porque havia mercados onde tínhamos dificuldade em entrar, dado que o calçado em couro é consideravelmente mais caro”, reconhece o diretor de comunicação da APICCAPS, Paulo Gonçalves. A crise das vacas loucas, que levou a um aumento "muito expressivo” do preço desta matéria-prima, foi outras das razões para a procura de materiais alternativos, com o Centro Tecnológico do setor a fazer um esforço de investigação e desenvolvimento de novos materiais, como a cortiça, os tecidos, plásticos e afins.

Por outro lado, a mudança de hábitos e a recusa de um número crescente de consumidores em usar produtos de origem animal – mesmo se, no caso do couro, se trate de um subproduto da alimentação humana que, caso não fosse utilizado no calçado, vestuário e outras indústrias, iria para aterro, uma solução nada amiga do ambiente – levou ao desenvolvimento de uma nova classe de produtos, o calçado vegan, segmento onde se inclui o impermeável, produzido a partir de plástico injetado ou borracha. Tanto se destina ao segmento da moda, "com produtos coloridos, divertidos e a preços mais acessíveis”, lembra Paulo Gonçalves, como inclui produtos com "maior tecnicidade” para as áreas da saúde, mas não só. "São apostas que se têm revelado uma oportunidade de negócio interessante para algumas empresas que têm, assim, uma oferta mais abrangente. E é natural que as exportações estejam a crescer, até porque o ponto de partida é relativamente baixo”, frisa.

Procalçado é o maior produtor do segmento A Lemon Jelly, marca de calçado impermeável da Procalçado, que ostenta o selo vegan da PETA (People For the Ethical Treatment of Animals), a maior organização mundial de proteção animal, é um dos maiores exemplos deste segmento de mercado. Com quase 340 trabalhadores e uma faturação que, em 2019, rondou os 20 milhões de euros, o grupo Procalçado é ainda responsável das marcas produtor das marcas For Ever, no segmento de solas, e da Wock, no segmento de calçado profissional, designadamente para o segmento da saúde. E foi, precisamente, o segmento de profissional que mais cresceu em ano de covid-19.


In, Dinheiro Vivo
voltar