Política de cookies

Este site utiliza cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba Mais

Compreendi

Notícias

Smart fortwo electric drive
2018-03-06

Depois de anunciar que em 2020, todos os seus modelos serão 100% eléctricos, a smart fez chegar ao mercado a gama electric drive. Pensado para o ambiente urbano, o fortwo ed tem autonomia suficiente para andar toda a semana às voltas na cidade. Depois de o termos conduzido durante alguns dias ficamos com uma certeza: este é o melhor smart de sempre.

Não há outro mercado em todo mundo onde a smart tenha posição mais destacada que em Portugal. No nosso país, a marca criada em 1998 tem a melhor quota de mercado, com 1,4%, à frente da Itália que até 2017 liderava o ranking. Segundo a marca, o sucesso deve-se à sua dinâmica muito própria e à oferta diversificada de modelos, como a recente inclusão de versões exclusivamente eléctricas. Sempre à frente do seu tempo, a smart é pois o único fabricante de automóveis a disponibilizar a sua gama com modelos equipados simultaneamente com motores de combustão e sistema de propulsão totalmente eléctrico.

Com o lançamento em finais de 2017 da gama electric drive a marca deu o primeiro passo para que os seus modelos deixem de utilizar motores a gasolina já em 2020. E se há modelo que faz todo o sentido ser 100% eléctrico é o smart fortwo.

O fortwo é um citadino puro e duro. Graças às suas dimensões (2,7 m de comprimento) e aos seus 6,95 m de diâmetro de viragem (referência no mercado), o pequeno citadino estaciona-se em lugares onde não cabe outro carro e pode circular pelas ruas mais estreitas sem qualquer constrangimento. Embora tenha apenas dois lugares, tem um habitáculo espaçoso e uma bagageira com capacidade para 190 litros (350 litros, até ao tecto). Esta variante elétcrica tem todas estas vantagens juntando-lhes as dos motores eléctricos: ausência de ruído, facilidade de condução e aceleração imediata (o binário máximo está disponível desde que arrancamos).

E nesta caso nem a autonomia é um transtorno. Os 160 km de autonomia anunciada (110/120 km reais) chegam e sobram para cumprir a distância média que os utilizadores dos smart percorrem diariamente.

Os 82 cv de potência e 160 Nm de binários desenvolvidos pelo motor eléctrico (instalado no eixo traseiro) associado a uma bateria de iões de lítio de 17.6 kwh (com 8 anos de garantia ou 100.000 km) e uma caixa de relação única dão muito bem conta do recado. Em conjunto permitem imprimir ritmos vivos, e mesmo em auto-es- trada circulamos sem qualquer constrangimento. Facilmente chegamos os 100/120 km/h, sendo que a velocidade máxima está limitada a 130 km/h. A aceleração dos 0 aos 60 km/h cumpre-se em apenas 4,9 segundos.

Nos percursos realizados durante os dias que rodamos com o fortwo ed, o consumo rondou os 15 kwh em média (menos de 2 euros por cada 100 km percorridos). Para os mais poupados está disponível o modo Eco para potenciar ao máximo a regeneração de energia, limitando a aceleração, velocidade e a intensidade do ar condicionado. No modo Normal existem cinco níveis de recuperação de energia, dependendo da velocidade de circulação e da distância para o veículo da frente.

Os carregamentos também são simples. O período de carga da bateria é de aproximadamente 7 horas com o carregador de série (monofásico de 7,2 kW) ligado a uma vulgar tomada doméstica. Este valor cai para metade com a instalação de uma wallbox e, ainda este ano, vai estar disponível um carregador de 22 kW, que permitirá recarregar a bateria em cerca de 45 minutos (até 80%), desde que ligado a corrente trifásica.

E para que o condutor saiba sempre como está o carregamento, a marca disponibiliza uma app para monitorizar através de um smartphone, tablet ou PC o carregamento da bateria. Em termos de condução, não fosse a ausência do barulho do motor a gasolina, seria quase impossível descobrir qualquer diferença entre os outros smart e esta versão eléctrica (apesar de mais pesada). Com uma condução muito simples (basta acelerar), o smart ed lembra a condução de um "carrinho de choque" mas em estrada.

Resumindo, este é o smart que faz mais sentido, não fosse o preço. A smart pede 22.500 euros pelo fortwo electric drive, o ca- brio e o forfour são naturalmente ainda mais caros. Importa ainda assim lembrar que o estado dá um incentivo de 2250 euros para compra de carros eléctricos e as empresas deduzem também a totalidade do IVA.

O smart fortwo electric drive está disponível para ensaio no concessionário Nasamotor em Santa Maria da Feira, Gaia e Porto (estrada da circunvalação).

In, Jornal N
voltar