Política de cookies

Este site utiliza cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba Mais

Compreendi

Notícias

Mourauto
2020-02-06

Cumpridos 40 anos de existência, a parceira da Bosch Car Service assume a sua dimensão nacional

Estamos Muito Atentos Ao Futuro

Joana Moura e Rui Moura são a imagem da Mourauto, empresa de Santa Maria Da Feira criada, em 1979, pelo pai de ambos, que começou por servir os Feirenses. Atualmente, é já uma organização de dimensão nacional, ligada à Bosch Car Service, com Laboratórios Diesel e Turbo, instaladora de GPL e, mais recentemente, com a associação a uma rede de oficinas de Pesados.

Manuel José Nunes Oliveira Moura iniciou a atividade da empresa Mourauto, Lda. no ano de 1979. Nessa altura, o mercado da reparação automóvel encontrava-se dividido pelas suas várias especialidades. Existiam oficinas puramente de mecânica, de chapa e de eletricidade. E o "Moura" era um elctricista dc referência, reconhecido na maioria dos concelhos a norte do distrito de Aveiro.

A quantidade de trabalho era enorme na época e a Mourauto sempre soube acompanhar" a evolução do mercado. Em 1986, a firma alargou a sua atividade à reparação de sistemas Diesel, tornando-se numa referência na área. Mas a história da empresa não se fica por aqui. O Jornal das Oficinas foi tentar perceber junto de um dos seus responsáveis em que se baseia o sucesso da organização. Joana Moura, filha do fundador e sócia-gerente, explicou-nos o processo, a história e as várias etapas de crescimento da empresa, que atravessou fases boas e outras menos positivas.

MARCO HISTÓRICO

Um dos marcos históricos da Mourauto foi precisamente a mudança de instalações, tendo saído do centro de Santa Maria da Feira para a zona industrial, onde se encontra atualmente. Aconteceu em 1993 e a razão foi precisamente a falta de espaço, até porque, na época, a empresa já tinha uma dimensão muito interessante. A explicação é simples, refere Joana Moura: "Estávamos numas instalações muito pequenas, no centro da cidade, onde cabiam três, quatro carros. Mas tudo começa assim. O meu pai, na época, já trabalhava com camiões, mas só no exterior, até porque, naquele tempo, as instalações era o menos importante. Os meios não eram muitos e ainda estava tudo demasiado fechado. Quando abriram as portas da Comunidade Europeia, começaram a surgir as exigências da Europa, como os tacógrafos, por exemplo. E nós integrámo-los de imediato. Depois, as questões ambientais. E, aí, começámos com o GPL. Mais tarde, inaugurámos um laboratório Diesel, ainda nas instalações antigas, tudo por iniciativa do meu pai, um homem sempre muito atento às novas tecnologias, que quis, de imediato, informatizar a empresa. E conseguiu".

A Mourauto nunca perdeu o comboio da inovação, mesmo que ela fosse escassa. Assim que a Bosch chegou a Portugal, iniciou, de imediato, o processo de ligação à marca para se tornar serviço Bosch, até porque já era serviço Marelli. A empresa familiar integrou os filhos na estrutura de acionistas e o crescimento manteve-se em alta. As atividades onde a firma ganhou nome e estatuto mantiveram--se: eletricidade auto, mecânica, GPL, Diesel, Turbos e Tacógrafos.

Atualmente, no espaço físico está a funcionar toda a parte de mecânica e mecatrónica, sempre vocacionada para a mecânica especializada, por causa dos laboratórios Diesel e Turbo. E para o cliente profissional, uma vez que são as oficinas e as transportadoras que mais recorrem aos serviços da Mourauto. A ligação à Marelli é coisa do passado e a empresa preferiu unir-se a uma rede oficinal multimarca de veículos pesados, a Alltrueks. Até porque Joana Moura acredita que é obrigatório pertencer a uma rede para se ter acesso a informação técnica específica, máquinas, formação e a toda uma estrutura organizacional. A responsável refere que o slogan "Juntos, somos mais fortes", é real e funciona no âmbito deste tipo de empresa. "Temos centro de ensaio de tacógrafos e somos entidade reparadora destes dispositivos. E como temos a parte de mecânica de pesados, aproveitamos clientes que já cá vêm para fazerem mais manutenções na oficina. Sendo que esta aposta nos pesados vai funcionar para colmatar a falta de veículos movidos a combustíveis fósseis, porque os pesados, para já, só se alimentam de gasóleo. Estamos satisfeitos com o rumo que tomámos", garante.

A importância dos tacógrafos voltou a ser referida por Joana Moura, mas o GPL foi outros dos pilares da Mourauto. "O meu pai foi pioneiro nos sistemas GPL, desde as homologações, legalizações, centralinas e multiválvulas, até ao desmistificar do gás junto das entidades competentes para o podermos utilizar", revela

A responsável assegura que o GPL ainda compensa, pois trata-se de um combustível limpo. No entanto, é fóssil. Ainda assim, a empresa continua a realizar instalações de gás, a fazer formação aos seus mecânicos e a acreditar neste tipo de combustível. A Mourauto também realiza reparações de caixas de velocidade desde 2013. "É uma área muito procurada. As pessoas mantêm os veículos mais tempo e procuram as reparações grandes, principalmente viaturas de 2005 para cá. As caixas continuam como um negócio bastante rentável", assegura. Quando questionada sobre o Diesel e os Turbos, Joana Moura afirma que são dois negócios sempre em crescimento.

A empresa está, constantemente, a evoluir e a comprar novos equipamentos, a renovar tudo o que diz respeito aos bancos de ensaios e a atualizar sistemas. "Estamos ligados a todos os fabricantes: Denso, Delphi, Bosch e VDO. Por isso, estamos habilitados e certificados para intervencionar todos os sistemas destas marcas", destaca a responsável.

APOSTA NOS RECONSTRUÍDOS

Se existe área onde a Mourauto também aposta, é no negócio de reconstruídos. A sua marca chama-se MGK e começou por ser uma start-up lançada para aproveitar cascos de turbos e de injetores. "E uma marca que continua, porque o custo compensa. Tudo é reconstruído nos nossos laboratórios, que dispõem dos mais recentes equipamentos que permitem, para alem da fiabilidade c qualidade dos produtos reconstruídos, obter diagnósticos completos, reparações e soluções que correspondem às necessidades reais do mercado automóvel", revela Joana Moura.

Mas a empresa também trabalha com filtros de partículas. A única vertente da mecânica que colocam praticamente de parte é a pintura. "E um negócio que não dominamos. Fazemos, sim, mas em regime de outsourcing através de um parceiro", explica Joana Moura. "E um negócio muito específico e especializado, que não nos é rentável, até porque depende-se muito das seguradoras e, isso, não nos interessa", acrescenta.

A empresa dispõe de uma equipa de 20 pessoas. Questionada sobre o facto de ser difícil encontrar profissionais competentes, Joana Moura refere que a Mourauto trabalha em parceria com escolas profissionais, o que tem permitido encontrar pessoas com formação para este tipo de atividade. A Mourauto não tem comerciais a angariar clientes. Utiliza bases de dados e trabalha diretamente com os clientes, muitos deles de pesados que entram nas instalações todos os dias, gostam do serviço e voltam. Já sobre a habitual presença da empresa nos salões, Joana Moura refere que a Mourauto participa nestes eventos sobretudo para mostrar os produtos reconstruídos MGK.

"Trata-se de um produto nosso, feito nos nossos laboratórios", frisa a responsável. A partir daqui, a empresa está atenta ao mercado, aos veículos elétricos e híbridos, para perceber como será o futuro. Importante neste negócio é, também, a relação com as oficinas, com os profissionais e com os transportadores. A Mourauto vai lançar a própria escola de formação dentro em breve. "Damos formação aos clientes de oficinas, aos parceiros da metrologia e até mesmo às escolas. Estamos a desenhar uma forma de funcionamento que permita aos alunos do ensino regular fazerem uma componente profissional. As escolas não têm meios técnicos e nós proporcionamos isso mesmo", garante Joana Moura.

A Mourauto trabalha para se manter atualizada dentro de um negócio em constante evolução. Está atenta aos novos conceitos de mobilidade, faz campanhas de descontos a clientes profissionais e particulares para os fidelizar, está ativa nas redes sociais e, a nível interno, motiva a sua própria equipa com formação, proximidade e salários competitivos. Quanto aos clientes, o melhor que a empresa pode fazer é manter uma relação de proximidade com eles, através de um atendimento personalizado e da lealdade. Para o futuro, a ideia é privilegiar a mesma linha de atuação, com a normal adaptação às várias realidades do presente, sem deixar de ser fiel ao cliente e ao próprio colaborador. Resumindo e concluindo: a Mourauto é uma empresa familiar com um cunho muito profissional. 


Datas Marcantes

1979
A história da Mourauto remonta ao ano de 1979, quando, a 23 de novembro, Manuel José Nunes Oliveira Moura iniciou a atividade de reparações elétricas em veículos ligeiros e pesados, nas antigas instalações situadas na Rua das Fogaceiras, na Vila da Feira.

1986
Nomeada Serviço Bosch, alargou a sua atividade à reparação de sistemas Diesel, tornando-se numa referência enquanto especialista em reparação de bombas injetoras e injetores. Nesse mesmo ano, foi certificado pelo IPQ como Instalador e Reparador de Tacógrafos.

1991
Iniciou a atividade de instalação/adaptação de automóveis para GPL e sua reparação, tendo sido pioneira na importação e homologação de equipamentos para transformação desse tipo de combustível. Neste ano, foi credenciada como entidade montadora de kits de GPL.

1993
Com o alargamento do leque de atividades e devido ao crescimento da empresa, houve necessidade de aumentar as instalações, sendo que, em 1993, foram adquiridas e adaptadas a primeira unidade das atuais instalações, localizadas na Rua 25 de Abril, na Zona Industrial do Roligo, em Santa Maria da Feira.

1996
A evolução do mercado e o crescimento do negócio levou a que, em 1996, tivesse sido constituída a sociedade Mourauto, Lda., empresa que tinha na sua estrutura de acionistas os seus sucessores, assegurando, desta forma, a continuidade e o futuro do projeto.

1999
Sob a tutela e em parceria com a Robert Bosch, foi lançada, no Congresso de Tomar, a primeira rede de oficinas multimarca Bosch Car Service, que foi, de imediato, recebida e reconhecida pelo mercado. A Mourauto integrou esta rede desde o início.

2005
Para colmatar as necessidades dos clientes profissionais, que nem sempre têm acesso a informação e produtos, foi criada a marca MGK para componentes reconstruídos nos laboratórios da Mourauto, de acordo com as normas e especificações de qualidade dos fabricantes.

2017
Com o crescimento das unidades técnicas, surgiu a necessidade de mais espaço, o que só seria possível com a aquisição de um novo espaço. O que veio a acontecer em finais de 2017, com a aquisição do edifício contíguo ao já existente. Foram, de imediato, iniciadas obras de adaptação.

2019
Comemorou o seu 40.° aniversário, que foi celebrado com a abertura da nova unidade e com o alargamento da sua atividade, num ano que marca, também, a adesão da empresa ao conceito Alltrucks, rede de oficinas multimarca para veículos pesados.






In, Jornal das Oficinas
voltar