Política de cookies

Este site utiliza cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba Mais

Compreendi

Notícias

Metalurgia. Há quase dois anos a exportar mais de mil milhões ao mês
2018-07-30

Vendas ao exterior cresceram 14,9% em maio, tornando este o segundo melhor mês de sempre da indústria

A indústria metalúrgica e metalomecânica exportou, em maio, 1.692 milhões de euros, o seu segundo melhor resultado de sempre, só suplantado pelos 1.696 milhões atingidos em novembro de 2017. O valor de maio, que representa um crescimento homólogo de 14,9%, corresponde ao vigésimo primeiro mês consecutivo em que as exportações do setor suplantaram os mil milhões de euros.

Em termos acumulados, nos primeiros cinco meses do ano, as exportações crescera, 16,9%, com todos os valores alcançados em cada um dos meses a entrarem diretamente na listagem dos dez melhores de sempre.

"Estamos a verificar um crescimento acima do esperado das exportações do sector metalúrgico e que superam mesmo as outras indústrias em Portugal. 2017 foi o melhor ano sempre para a nossa indústria, mas 2018 está a superar mesmo as expectativas mais otimistas. Isto só é possível porque a marca Metal Portugal é hoje um selo de garantia de inovação e qualidade. As empresas começam a colher resultados da reputação e notoriedade que vão ganhando nos mercados externos”, destaca o vice-presidente da Associação dos Industriais Metalúrgicos, Metalomecânicos e Afins de Portugal (AIMMAP), Rafael Campos Pereira, em comunicado.

O crescimento das vendas para a União Europeia tem alavancado a performance positiva da metalurgia nacional: mais 23,9% que em 2017, passando de 6.741 para 7.883 milhões de euros. A França continua a ser o grande destino das vendas da metalurgia e metalomecânica, com um crescimento homólogo de 20,8% para 1.224 milhões de euros. Alemanha e a Espanha, com acréscimos homólogos de 16,1% e 14,5%, respetivamente, "continuam a justificar igualmente uma grande atenção”. No Reino Unido, e apesar da instabilidade provocada pelo brexit, as vendas continuam a crescer 4,1%.

Já nos mercados extra-comunitários a evolução "é menos interessante”, com uma quebra de 6,8% face aos primeiro cinco meses do ano passado. "Angola e Brasil são mercados que tardam em recuperar”, reconhece a AIMMAP, mas que destaca que, apesar de tudo, se começa a consolidar uma recuperação face à quebra maior que se registava no final do primeiro trimestre, de 11,5%. "Estes são claramente sinais positivos que se espera poderem vir a consolidar-se nos próximos meses”, frisa Rafael Campos Pereira.


In, Dinheiro Vivo
voltar