Política de cookies

Este site utiliza cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba Mais

Compreendi

Notícias

Maioria dos 100 potenciais investidores apoiados é de origem nacional, existindo ainda três chineses, dois brasileiros, um israelita e um holandês.
2019-05-10

Maioria dos 100 potenciais investidores apoiados é de origem nacional, existindo ainda três chineses, dois brasileiros, um israelita e um holandês.

Uma centena de potenciais investidores no Norte do país, de setores como o calçado, vestuário, cortiça, automóvel e construção, contactaram o gabinete de apoio da plataforma N-Invest, que desde setembro disponibiliza ‘online’ dados de 410 áreas empresariais daquela região. 

Segundo adiantou à agência Lusa fonte da Associação Empresarial de Portugal (AEP) – que operacionalizou esta ferramenta de captação de investimento para a região Norte e pretende alargá-la a todo o país – a maioria dos 100 potenciais investidores apoiados é de origem nacional, existindo ainda três chineses, dois brasileiros, um israelita e um holandês. 

"Predominantemente, os investidores provêm de setores como a fabricação de calçado, vestuário e artigos de cortiça, manutenção e reparação de veículos automóveis e construção”, sendo que "o tipo de investimento, previsto para os próximos dois anos, foca-se na modernização de equipamentos, no aumento da capacidade produtiva e na busca de novas instalações”, referiu Paula Silvestre, diretora da área de competitividade da associação e coordenadora do N-Invest. 

O apoio solicitado ao Gabinete de Apoio ao Potencial Investidor (GAPI) "prende-se, principalmente, com a identificação e intermediação na busca de espaços para localização ou relocalização”. 

De acordo com os dados da AEP, para 25% dos investidores apoiados o investimento implica mudança de instalações, sendo que 80% destes investidores "consideram a localização numa área de acolhimento empresarial”. 

Entre os fatores mais valorizados para a localização/relocalização empresarial estão as infraestruturas de suporte, a disponibilidade de mão-de-obra, as acessibilidades, a proximidade a serviços de suporte relevantes, o clima de negócios atrativo na zona, a localização estratégica no contexto da cadeia de valor em que atuam e a inserção em ‘clusters’ relevantes. 

"Cerca de 70% dos investidores possuem uma estratégia sustentada para a inovação, sendo que destes 80% inovam, sobretudo, ao nível do produto e do serviço”, nota a associação, acrescentando que duas das empresas apoiadas têm capital social totalmente estrangeiro (holandês e suíço). 

Em declarações à Lusa, o vice-presidente da AEP afirmou que o N-Invest "tem ultrapassado os objetivos” a que se propôs, destacando-se por permitir” gerar, em menos de cinco minutos, um verdadeiro dossiê de investimento contendo um guia de apoio ao investidor, um perfil socioeconómico do município e relatórios individuais comparativos de áreas empresariais que cumprem os requisitos que o investidor pretende”. 

"Este é um projeto para continuar e ganhar uma dinâmica própria e já estamos a estudar o formato de continuação porque é disto que a região e o país precisam”, sustentou Luís Miguel Ribeiro. 

Disponibilizada ‘online’ desde setembro de 2018, a plataforma eletrónica N-Invest (www.n-investportugal.pt) foi desenvolvida pela AEP em cooperação com diversos atores públicos e privados e implicou um investimento total de 985 mil euros, financiados a 85% pelo FEDER (Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional). 

O projeto combina o "mapeamento, caracterização e classificação” das 410 áreas empresariais da região Norte com a disponibilização de um observatório de informação socioeconómica e empresarial e de uma plataforma eletrónica com dados sobre toda a "oferta pertinente” permanentemente atualizados. 

O objetivo é "promover uma melhor e mais eficaz articulação e promoção entre a oferta e a procura”, dispondo por isso o projeto de um gabinete de apoio ao investidor para "aconselhamento personalizado aos empresários, nacionais e estrangeiros, que pretendam investir na região”. 

De acordo com Paula Silvestre, a plataforma eletrónica registou até ao momento cerca de 5.000 visitas, 9% das quais provenientes dos EUA e existindo também visitantes do Brasil, Espanha, França, Suíça, Reino Unido, Alemanha, Moçambique e Angola.


In, AEP
voltar