Política de cookies

Este site utiliza cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba Mais

Compreendi

Notícias

Exportamos mais de metade da produção de kiwis
2018-05-25

Desde há seis anos que vendemos mais kiwis para fora do que importamos. Crise na Nova Zelândia, 3.º maior produtor mundial, não nos deverá afetar

Das 28 mil toneladas de kiwis que os produtores estimam ter produzido no ano passado, 16 mil, ou seja, mais de metade, foram para a exportação, segundo a Associação Portuguesa de Kiwicultores (APK). Só que, apesar de a área de cultivo ter disparado 63,5%, entre 2010 e 2016, para 2598 hectares, a produção manteve-se sensivelmente constante, nesse período, na ordem das 23 mil toneladas, de acordo com os dados mais recentes do Instituto Nacional de Estatística (INE).

Como se explica que a área tenha aumentado tanto e a produção nem por isso? António Avelino Luís, presidente da APK, aponta o ataque de uma bactéria (PSA), que terá prejudicado as plantas (não os frutos), impendido o correto desenvolvimento. Mesmo com o contratempo da fitossanidade, António Avelino Luís acredita que "o país tem, neste momento, um potencial produtivo de 50 mil toneladas”, uma situação que poderá tornar-se realidade "daqui a dois ou três anos”, o tempo de novos pomares entrarem em produção, já que uma planta demora três anos a dar os primeiros frutos.

É também de esperar que esse reforço produtivo ocorra, sobretudo, nas regiões de Entre Douro e Minho e na Beira Litoral, onde se concentra a quase totalidade da produção nacional.

António Avelino Luís até defende que a área de cultivo de kiwis deveria "duplicar”, desde logo, para responder à procura crescente por via do estrangeiro. "O nosso kiwi tem um sabor agradável e tem boa aceitação nos mercados externos”, refere. E sabe do que fala, porque as exportações também não têm parado de crescer.

Para onde vão

Estava o país em plena crise, com a troika por cá, mas isso em nada perturbou o kiwi que, desde 2012, iniciou um percurso crescente de exportação, elevando-se às importações desde esse ano, pelo menos em quantidade (apenas com um recuo muito ligeiro em 2016). Em valor, essa supremacia das vendas externas ocorreu apenas desde 2015.

No ano passado, exportámos 16,272 mil toneladas (mais 35,6% face a 2016) de kiwis, no valor de 19,486 milhões de euros, uma honrosa subida de 60,4%, segundo o INE. Pelo contrário, as compras ao exterior estão a diminuir. Comprámos lá fora 9,326 mil toneladas no ano passado (menos 23,1%), por 14,032 milhões de euros (menos 22,4%). Já este ano, o comércio externo está a seguir a mesma tendência: no primeiro trimestre, as exportações cresceram 38,9% em quantidade, e 49,3% em valor; as importações caíram 22,4% em quantidade e 7,8% em valor.

Como seria de esperar, Espanha é o nosso principal cliente, representando 80% do mercado externo (faturámos 15,3 milhões de euros no ano passado). Segue-se a França e a Polónia.

Neste contexto, o presidente da APK tem esperança de que o Governo português consiga abrir novos mercados à exportação de kiwi, havendo neste momento negociações com a Colômbia, o México e a Costa Rica.

De onde vêm

Já entre os nossos fornecedores estrangeiros, Espanha surge de novo em primeiro lugar, com o Chile em segundo e Itália em terceiro.

As importações serão sempre inevitáveis, nota António Avelino Luís, tendo em conta a sazonalidade da produção. Países do hemisfério norte, como Portugal, partilham o mesmo ciclo produtivo. Quando o fruto acaba, tem de se importar do sul, e vice-versa.

China é o maior produtor mundial, assegurando 1,3 milhões de toneladas, que correspondem a mais de metade do volume total mundial. Itália, Nova Zelândia e Chile completam o ranking por essa ordem. Portugal e Espanha juntos asseguram o 6.ª lugar.

O kiwi da Nova Zelândia foi notícia na última semana na imprensa internacional, pela dificuldade que o país está a ter para recrutar mão de obra, e garantir a apanha dos frutos na campanha prestes a começar.

Uma perturbação nesse mercado, no entanto, não deverá afetar Portugal, sobretudo na fase de carência sazonal, uma vez que a Nova Zelândia, apesar de ser o terceiro maior produtor mundial, não consta da lista de países fornecedores de Portugal, facultada pelo INE a nosso pedido.

António Avelino Luís admite que, a haver no mercado nacional, poderão ter origem em explorações de neozelandeses estabelecidas na Europa, em especial em Itália, ou haver produtores europeus que trabalhem segundo as regras da Nova Zelândia e exibam a marca neozelandesa da exportação "Zespri”.

In, Dinheiro Vivo
voltar