Política de cookies

Este site utiliza cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba Mais

Compreendi

Notícias

Exportações portuguesas de calçado atingem recorde em 2017
2018-05-22

Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), as exportações de calçado do setor português alcançaram em 2017 um novo máximo histórico, ao aumentarem 2,8% para 1965 milhões de euros, acumulando oito anos consecutivos de crescimento nos mercados internacionais. 
 
A Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes e Artigos de Pele e Seus Sucedâneos – APICCAPS, refere que desde 2009 que as vendas de calçado português no exterior aumentaram mais de 50%. Resultado de uma jogada sem precedentes nos mercados internacionais, Portugal passou a exportar mais 700 milhões de euros, amplificando ainda a geografia das exportações a mais de 20 novos destinos.

Portugal exportou em 2017 um total de 83 milhões de pares de calçado – mais de 95% da produção – para 152 países dos cinco continentes, com a Europa a permanecer como principal destino das exportações nacionais. No entanto, é notório o crescente interesse das empresas portuguesas em explorar os mercados fora do continente europeu.

Fora da União Europeia a exportações portuguesas aumentaram 7,1%, digno de referir os bons resultados registados na Rússia (mais 63%, para 33 milhões de euros), Angola (mais 6%, para 18 milhões de euros) e China (mais 3%, para 13 milhões de euros). Já para o Canadá e para os EUA, país que está no foco das ações da APICCAPS este ano, as exportações diminuíram 1,5%, para 99 milhões de euros.

Com a ambição assumida de «ser a indústria mais moderna do mundo, aliando o saber às mais modernas tecnologias», o setor português do calçado tem em vista um investimento de 50 milhões de euros até 2020 no contexto de um programa de inovação e economia digital – o FOOTUre 4.0.

Segundo a APICCAPS, o FOOTure 4.0 definiu quatro «prioridades estratégicas»: criar formas de interação com o cliente num contexto digital e em rede; melhorar a flexibilidade, tempo de resposta ao cliente, inteligência de negócios e sustentabilidade; qualificar o setor para a Indústria 4.0, tornando-o mais dinâmico, inovador e capaz de criar negócios; e melhorar a inteligência e imagem do setor.


In, Revistaport.com
voltar