Política de cookies

Este site utiliza cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba Mais

Compreendi

Notícias

Espanhóis da Molaflex abrem fábrica na Feira com 450 pessoas
2019-04-02

A deslocalização da fábrica de colchões de São João da Madeira para Santa Maria da Feira deverá acontecer em maio próximo, num investimento de 15 milhões de euros e que vai criar cerca de 120 novos postos de trabalho.

Quase sete décadas depois de chegar a São João da Madeira e três após ter sido adquirida pelo grupo espanhol Flex, a Molaflex vai deslocalizar-se para o concelho vizinho de Santa Maria da Feira, onde está a concluir a construção de uma nova unidade industrial, que tem inauguração marcada para maio.

"A fábrica tem uma área coberta de 35 mil metros quadrados, sendo que a empresa comprou um terreno de 70.600 metros quadrados, pelo que tem outros 35 mil destinados para uma futura expansão", apontou o presidente da Câmara da Feira, em declarações ao Negócios.

Munido de dados fornecidos pela Molaflex, Emídio Sousa adiantou que a nova unidade irá acolher 450 trabalhadores, dos quais 120 correspondem à criação de novos postos de trabalho.

Segundo o autarca, a produção da futura unidade do grupo espanhol irá passar dos atuais 300 mil, em São João da Madeira, para cerca de 450 mil colchões anuais na Feira. Com este incremento, as expectativas quanto à faturação é que cresça de cerca de 34 milhões de euros para 45 milhões, com as vendas geradas nos mercados internacionais a representarem "mais de 95% do total". O investimento global na nova frente industrial ronda os 15 milhões de euros.

Foi em janeiro passado que o Governo português aprovou o contrato fiscal de investimento com a Molaflex, cujo projeto para a Feira recebeu financiamento do Portugal 2020, programa que atribuiu um apoio financeiro de 3,4 milhões de euros, para um investimento elegível considerado de 8,4 milhões.

"A atual unidade industrial encontra-se no seu limite de capacidade máxima, não permitindo acomodar mais procura ou novos produtos, sem perda de eficiência", eis a justificação dada pela Molaflex para avançar com o novo investimento. Realça a empresa que "o presente projeto, ao possibilitar o desenvolvimento de novos produtos inovadores e diferenciados, bem como melhorias logísticas e organizacionais, assume-se como preponderante para aumentar a competitividade da Molaflex face aos seus concorrentes internacionais".

A Molaflex foi fundada em São João da Madeira, em 1951, por Rui Moreira, pai do atual presidente da Câmara do Porto. Nos anos 60, Moreira fez o filho aparecer de pijama, aos pulos numa cama, na pele da mascote "Molinhas", num anúncio televisivo. O hoje autarca ganhou então a alcunha "Molinhas". Agora, a Molaflex vai passar-se para o Lusopark, o mais recente parque empresarial da Feira.

Fundado em 1912, o grupo espanhol Flex, que é um dos maiores fabricantes mundiais de colchões e outros produtos do chamado setor do descanso, tem 12 fábricas em sete países e fatura cerca de 400milhões de euros, tendo ainda no mês passado adquirido a concorrente canadiana Marshall Mattress. 


120
NOVOS EMPREGOS
Além dos 330 trabalhadores que passam da velha para a nova fábrica, irão ser contratados mais 120.

450
MIL COLCHÕES
De uma produção atual de 300 mil colchões por ano, a Molaflex projeta passar para 450 mil na nova fábrica.

In, Jornal de Negócios
voltar