Política de cookies

Este site utiliza cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba Mais

Compreendi

Notícias

Do calçado aos reutilizados utensílios artesanais de couro
2019-10-08

O artesão residente em Fornos, Artur Fernandes, reutiliza antiquadas cadeiras de couro para lhes atribuir "uma nova vida" através do seu mais recente fascínio, o "Art Zanato"

Artur de Lima Fernandes, de 68 anos, natural de Escapães, reside atualmente em Fornos e a sua casa é o local onde concretiza a sua mais recente paixão, o artesanato. Desde malas a porta-moedas, Artur decidiu, há cerca de um ano, reutilizar materiais a partir de antigas cadeiras em couro e transformá-las em diversas peças e utensílios diários que comercializa em feiras e através da Internet.

O artesão começou por explicar que as fases principais do seu trabalho manual iniciam-se com a desmontagem do assento e das costas de cadeiras em couro, algumas "com 40 ou 50 anos, de fábricas que até já fecharam". O amontoado de cadeiras que preenchem a sua oficina foram adquiridas, outras recuperadas e aproveitadas quando vão parar ao lixo. A concepção do "Art Zanato" nome do seu negócio surgiu quando recuperou uma destas cadeiras num ecoponto e a trouxe para casa. O processo do trabalho inicia-se por retirar as pequenas tachas da cadeira, recortar o couro e a madeira das cadeiras para, posteriormente, as adaptar aos utensílios que pretende realizar, "sempre com o desenho do couro centrado" à peça. O couro, uma vez que é antigo, é necessário "humedecê-lo com um óleo para ser trabalhado e, a partir daí, inicia-se o trabalho de montagem e, se necessário, cozer algumas coisas à mão" tarefa que, por vezes, a sua esposa auxilia. "É um couro velho, tem à volta de 40 ou 50 anos, não há muitas voltas a dar com este material, mas tento aplicar um creme para ficar mais bonito e assim dá um visual mais rústico e original", avaliou o artesão.

Artur Fernandes relembra que quando iniciou o seu projeto, inspirou-se em algumas obras que viu na Internet e que, mais tarde, as reinventa de forma a realizar "peças únicas", uma vez que, admite, não consegue replicar as peças artesanais que produz. Todavia, há uma condicionante no seu trabalho: as dimensões da "matéria-prima" que extrai a partir das cadeiras desusadas. 



In, Jornal N
voltar