Política de cookies

Este site utiliza cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba Mais

Compreendi

Notícias

Calçado mundial reunido esta semana no Porto para debater nova era tecnológica
2018-05-15

Quase 500 profissionais de 33 países são esperados no 20.º Congresso da União Internacional de Técnicos da Indústria do Calçado (UITIC), que decorre quinta e sexta-feira no Porto e é precedido de três dias de visitas a fábricas portuguesas.

Promovido pela Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos (APICCAPS) e pelo Centro Tecnológico do Calçado de Portugal (CTCP), aquele que é apresentado como "o mais prestigiado congresso” do setor terá como tema central "From Fashion to Factory: A New Technological Age” (Da Moda à Fábrica: Uma Nova Era Tecnológica).

Poucas semanas depois de a APICCAPS ter apresentado o projeto FOOTure 4.0, em que mediante um investimento de 50 milhões de euros a indústria portuguesa do calçado se propõe afirmar como a grande referência internacional na utilização de novas tecnologias, o congresso internacional da UITIC contará com a participação de oradores de primeiro plano de mais de 15 países, promete a organização.

"É o regresso ao Porto do maior evento técnico do setor de calçado no plano internacional”, destaca a APICCAPS, recordando que a primeira vez que o congresso mundial da UITIC se realizou em Portugal foi em 1996.

Segundo o diretor-geral do Centro Tecnológico do Calçado, Leandro de Melo, nesse período "praticamente tudo se alterou na indústria portuguesa”: "Nos anos 90 Portugal ambicionava ser uma referência na indústria de calçado no plano internacional. 

Nesse período, iniciaram-se os primeiros investimentos em I&D [Investigação & Desenvolvimento], nomeadamente com o projeto FACAP – Fábrica de Calçado do Futuro. Hoje, já exportamos tecnologia para todo o mundo, evoluímos do ponto de vista técnico e tecnológico, o que nos permitiu oferecer ao mercado soluções de excelência” explicou.

Conforme salienta Leandro de Melo, se "a aposta na promoção e nas marcas próprias chegaria mais tarde, a verdade é que hoje Portugal já se distingue pela produção de calçado de enorme qualidade, mesmo nos domínios de produto de cariz mais técnico, e pelo serviço exemplar, respondendo mais rapidamente do que os nossos concorrentes internacionais”.

De que modo a tecnologia digital moderna está a transformar o comportamento do consumidor, estarão as empresas preparadas para esta nova revolução digital, de que forma se interligarão os modelos de negócio tradicionais com o advento das vendas ‘online’ e que novas soluções tecnológicas suportarão a nova era digital nos próximos anos serão algumas das questões em debate no congresso.

Em cima da mesa estarão ainda temas como "Novos produtos e novos serviços ligados às necessidades dos consumidores”, "Desenvolvimento inteligente e produção”, "Sustentabilidade, transparência da cadeia de abastecimento e tendências regulatórias que afetam as fábricas” e "Fábricas centradas no homem e novas formas de gestão”.

Segundo a organização, o congresso reunirá especialistas de todo o mundo que desempenham papéis importantes no mercado mundial de calçado, como universidades, entidades do sistema científico e tecnológico, marcas, retalhistas, fabricantes de componentes e empresas especializadas no desenvolvimento de tecnologias de ponta.

Para o presidente da APICCAPS, Luís Onofre, "a realização do mais relevante congresso mundial em Portugal é sinónimo do prestígio internacional que o setor conquistou no passado recente”.

Já Françoise Nicolas, secretária geral da UITIC, acredita que "será uma ótima oportunidade para conhecer especialistas relevantes das principais áreas de produção de calçado, ter informações detalhadas sobre o estado das inovações disponíveis e familiarizar-se com as principais orientações tecnológicas para o setor de calçado”.

O congresso propriamente dito arranca na quinta-feira, mas nos três dias anteriores (de segunda a quarta-feira) os cerca de 500 participantes terão oportunidade de visitar "mais de uma dezena de empresas portuguesas de referência”, numa iniciativa justificada por Luís Onofre como uma forma de "responder à enorme curiosidade relacionada com a indústria portuguesa de calçado”.

Tal como a agência Lusa noticiou em fevereiro, foram submetidas 95 propostas de 19 países representativos dos principais ‘players’ mundiais de calçado durante o período de apresentação pública de ideias que precedeu o congresso, das quais foram selecionadas algumas dezenas pelo comité científico da UITIC. Confirmada está a cobertura do evento por cerca de quatro dezenas de jornalistas oriundos de cerca de 20 países.

Fundada em 1972, a UITIC visa desenvolver conhecimentos técnicos na fileira do calçado, nomeadamente através da organização de conferências internacionais com base regular e da criação de intercâmbios de informação entre os seus membros.

As anteriores edições do Congresso da UITIC realizam-se na China, Índia e México, três dos principais ‘players’ do setor no mercado internacional.


In, AICEP
voltar