Política de cookies

Este site utiliza cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba Mais

Compreendi

Notícias

57% do emprego está nas empresas de baixa tecnologia
2018-06-29

Emprego. Centro de Relações Laborais, do Ministério do Trabalho, diz que ofertas de emprego e colocações através do IEFP estão a cair desde 2015. 

As empresas de baixa tecnologia continuam a dominar o panorama do emprego em Portugal. De acordo com uma primeira análise oficial, do Centro de Relações Laborais (CRL), aos Quadros de Pessoal relativos a 2016, 57% dos trabalhadores estão em sectores de baixa tecnologia. 

Estas empresas de nível tecnológico mais rudimentar representam quase dois terços (61,2%) do tecido empresarial estabelecido no País. Já os sectores de alta e média alta tecnologia "reuniam 1,8% das empresas e 5,6% do total de trabalhadores”.

Estas informações constam do Relatório sobre Emprego e Formação de 2017, que será hoje apresentado no Ministério do Trabalho, em Lisboa, pelos autores do estudo, João Cerejeira, Teresa Costa e Teresa Amaro e pelo secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita.

"Em todas estas categorias a percentagem de trabalhadores mantém-se ou cresce, entre 2008 e 2016, mas o peso das empresas de alta e média alta tecnologia regista um decréscimo, entre 2013 e 2015”, refere ainda o mesmo estudo.

No sector secundário, o das indústrias transformadoras, apenas 7,9% das empresas é de alta e média-alta tecnologia, o que corresponde a 16,7% do emprego total.

"O peso das empresas com fatores competitivos avançados aumenta até 2012 e depois diminui bastante entre 2013 e 2015 para voltar a aumentar ligeiramente no último ano”, ao passo que "nas indústrias de baixa tecnologia verificou-se precisamente o contrário”, refere ainda o relatório.

A informação analisada mostra que a preponderância dos negócios de baixo valor tecnológico domina na medida em que a economia portuguesa continua a ser constituída por pequenas empresas e unidades produtivas, destacando o avanço dos sectores do alojamento e da restauração.

De acordo com os tais quadros de pessoal, que no fundo são o resultado de um inquérito intensivo respondido por 276,3 mil empresas, havia um total de 2,8 milhões de trabalhadores ao serviço em Portugal. Já o Sistema de Contas Integradas das Empresas (SCIE) "contabilizava quase 3,6 milhões de empregados, "76% dos quais trabalhavam em sociedades (2,7 milhões)”.

"Desde 2013, o maior acréscimo no número de empresas registou-se no alojamento e restauração, sendo que no SCIE sobressaem igualmente os aumentos nas empresas dos sectores das atividades administrativas e dos serviços de apoio e da agricultura”.

Estrutura de emprego inalterada

Os autores reparam ainda que "entre 2008 e 2016 nem a estrutura empresarial, nem a estrutura de emprego se alterou significativamente”. "Os sectores em que o número de empresas e de trabalhadores ao serviço mais diminuiu foram o comércio, as indústrias transformadoras e a construção”, ao passo que nas "atividades de saúde humana e apoio social o número de empresas e o número de trabalhadores cresceu sempre”.

O facto de as baixas tecnologias dominarem acaba por ter reflexos sobre o nível e a evolução dos salários.

"Em outubro de 2016, o ganho médio mensal no continente dos trabalhadores por conta de outrem (TCO) que trabalhavam a tempo completo era de 1.107,86 euros, o que representava um aumento de 1% face a outubro de 2015”.  A mediana do ganho, em 2016, era de 800 euros”.

A remuneração base média mensal desses TCO era de 924,94 euros, tendo aumentado 1,2%, refere o estudo. Aqui, a mediana, o valor que divide a amostra exatamente ao meio, era de apenas 650 euros.


Ofertas e colocações do IEFP em queda


A taxa de colocação de desempregados do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) continua a ser relativamente elevada, mas o número de colocados e de ofertas de emprego tem vindo a diminuir de forma significativa nos últimos três anos.

"As ofertas de emprego recebidas nos Centros de Emprego continuaram a descer ao longo de 2017 (-2,1%), mantendo-se assim a tendência de decréscimo progressivo que se verifica desde final de 2015, atingindo quase 143,6 mil em 2017”, observam os autores do relatório.

No ano passado, o número de colocações caiu 16,3%, menos 16,7 mil face a dezembro de 2016. Em todo o caso, "60% das ofertas foram preenchidas”. Isto é, o IEFP arranjou trabalho a cerca de 80 mil pessoas por esta via.


In, Dinheiro Vivo
voltar